Cabecero Avenidas Novas

Entrecampos

Câmara lança projecto de requalificação

Os projecto de requalificação dos antigos terrenos da Feira Popular, em Entrecampos, está em discussão pública. Um megacentro de escritórios, espaços comerciais, novos equipamentos sociais e culturais, para além de quase um milhar de fogos (dos quais 279 em venda livre) prometem mudar o perfil sócio-económico daquela zona com novas dinâmicas. No total são cerca de 25 hectares, dos quais 2,5 hectares são espaços verdes.

Redacção

25/05/2018

"Operação Integrada de Entrecampos" de seu nome, a área de intervenção abrange dois terrenos confinantes com a Avenida Álvaro Pais e vários espaços junto à Avenida das Forças Armadas (desde a Praça de Entrecampos ao antigo mercado), para além dos lotes onde já funcionou a Feira Popular. A Câmara de Lisboa já realizou duas hastas públicas para tentar vender os terrenos da antiga Feira Popular, mas não houve interessados.

Segundo a proposta camarária, na área do antigo parque de diversões ficará também um centro de escritórios, com 148 mil metros quadrados. Os espaços comerciais, que vão privilegiar as lojas de rua, ocuparão 40 mil metros quadrados de construção.

aspasCreches, Jardins de infância, uma unidade de cuidados continuados, um centro de dia, uma galeria de arte são alguns equipamentos previstos no projecto.


A maior parte do parque habitacional será, contudo, destinada a fogos de renda acessível. Neste caso, a autarquia assume a "parte de leão" dos encargos e dos trabalhos, num projecto viabilizado também pela Santa Casa da Misericórdia de Lisboa e pelo Estado, através do Ministério da Segurança Social. Assim, das sete centenas de fogos de renda acessível que a CML destina às “classes médias”, 515 serão de construção directa pelo município.

Já em relação a 122 novas habitações, serão criadas num espaço já edificado. Trata-se de imóveis de escritórios do Ministério da Segurança Social (localizados na Avenida da República - Entrecampos), que serão desocupados e convertidos em habitação. Por fim, haverá mais 63 fogos de renda acessível, a construir pela Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, em lotes de que a instituição é proprietária.

Mais equipamentos sociais

O projecto prevê ainda a construção de três creches, um jardim de infância, uma unidade de cuidados continuados, um centro de dia e lar, disponibilização de um serviço de apoio domiciliário, a "preservação da memória" do Teatro Vasco Santana e a criação de uma galeria de arte. A CML prevê realizar as "obras de urbanização, incluindo a abertura de um novo arruamento no prolongamento da Rua da Cruz Vermelha, a reabilitação dos arruamentos existentes e a criação de áreas verdes", atribuíra "construção e exploração do parque de estacionamento público a instalar sob a Avenida 5 de Outubro, a entidade adequada" e ainda promover a reabilitação do espaço público. 

Segundo o documento, este projecto inclui a "requalificação da parte norte da Avenida da República, o reperfilamento da Avenida 5 de Outubro (para construir no subsolo uma infraestrutura de apoio à logística urbana e um estacionamento público), a conclusão dos arranjos de exteriores do loteamento municipal das Forças Armadas, criando uma praça pública e construindo os equipamentos sociais e culturais aí previstos, e promovendo o ajardinamento entre a Rua Sousa Lopes e a linha de caminho-de-ferro". f

opinião

Dê-nos a sua opinião

NOTA: As opiniões sobre as notícias não serão publicadas imediatamente, ficarão pendentes de validação por parte de um administrador.

REGRAS DE USO

1. Deverá manter uma linguagem respeitadora, evitando conteúdo malicioso, abusivo e obsceno.

2. www.fregues.pt reserva-se ao direito de eliminar e editar os comentários.

3. As opiniões publicadas neste espaço correspondem à opinião dos leitores e não ao www.fregues.pt

4. Ao enviar uma mensagem o utilizador aceita as normas de utilização.