Cabecero Benfica

contestação I

Estacionamento: EMEL pressiona moradores de Benfica

A implementação, já a partir do dia 30 de Abril, do estacionamento pago em todo o território de São Domingos de Benfica vai transformar a freguesia benfiquense num “parque dissuasor” de Lisboa, agravando substancialmente a falta de estacionamento para moradores, trabalhadores e outros utentes.

Redacção

16/04/2018

A estratégia da Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa (EMEL) foi criar 16 micro-zonas em SDB para acabar com o estacionamento de não moradores naquela zona que tem importantes interfaces de transportes públicos. Agora, os espaços gratuitos mais próximos situam-se em Benfica, sendo natural o aumento da procura de lugares de estacionamento. Na reunião descentralizada da Câmara Municipal de Lisboa (CML) com as Juntas de Freguesia de Carnide e São Domingos de Benfica, realizada a 8 de Abril, o próprio Fernando Medina, presidente da Edilidade lisboeta, admitiu que Benfica será transformada no novo “parque dissuador” da cidade. Segundo algumas fontes, “esta situação é propositada para forçar a população benfiquense aceitar, sem contestação, a entrada da EMEL naquela freguesia”. 

O estacionamento pago deveria ter sido implementado em, pelo menos, duas zonas desta freguesia até ao final do ano passado. A transformação de Benfica num “parque dissuasor” visará reverter a opinião pública a favor da implementação do estacionamento pago, acabando com os actuais focos de contestação. Em algumas zonas existem movimentações no sentido de se criarem comissões de moradores anti-EMEL e corre uma petição pública a reivindicar mais estacionamento na freguesia. “A falta estacionamento é uma situação crítica e quando a situação se tornar ainda mais premente a EMEL surgirá aos olhos da opinião pública como a única solução viável”, afirmam-nos. Então será lançada a discussão pública, tão prometida por Inês Drummond, presidente da Junta de Freguesia de Benfica,“para discutir algo que já está decidido pelos autarcas de Lisboa”.

A introdução da EMEL na freguesia foi aprovada por maioria pela Assembleia Municipal de Lisboa em Julho de 2016 com os votos do PS, PS, PCP, PEV, MPT, PAN, PNPN e 6 deputados independentes e a abstenção do BE e do CDS.

A Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa (EMEL) vai construir uma “área de estacionamento de superfície” junto ao Mercado de Benfica, representando um investimento de 150 mil euros, segundo consta no Plano de Actividades e Orçamento 2018”. Até 2021, a EMEL pretende assegurar o estacionamento ordenado na via pública em toda a extensão do município de Lisboa.

Comerciantes apreensivos


Os pequenos comerciantes e as casas de comércio tradicional de rua não vêem com bons olhos a chegada da EMEL. Muitos dizem-nos que já basta a falta de estacionamento para afastar a clientela. “Com o estacionamento tarifado, os clientes têm mais uma dificuldade em se deslocar aos estabelecimentos comerciais de rua”, afirmam. Alguns dos comerciantes contactados pelo “FREGUÊS” salientam que “estas medidas que contradizem o apoio ao comércio local e tradicional, tão apregoado pelos responsáveis autárquicos, e beneficiam as grandes superfícies que oferecem estacionamento gratuito e incluem o seu custo na oferta de produtos e serviços”, salientam.

Estacionamento: um direito


Uma petição pública, com cerca de 300 assinaturas, foi entregue na Assembleia Municipal de Lisboa a exigir a criação e reposição de lugares de estacionamento gratuito, “retirados na consequência de várias obras realizadas desde 2014, o que, contrariamente ao anunciado na propaganda da Junta de Freguesia de Benfica, está a reduzir e não a aumentar a área útil de estacionamento”. Segundo o documento estacionar gratuitamente nas ruas onde se reside ou nas suas proximidades “é um direito que tínhamos e que nos tem vindo a ser retirado”.
Os signatários da petição afirmam que ninguém foi ouvido sobre os planos das obras que varreram a freguesia e que as “várias intervenções terem sido alvo de alterações, já posteriores à sua execução, é revelador de uma falta de conhecimento do terreno e da realidade a que as obras se destinam”. Entre outras reivindicações, os peticionários recusam "liminarmente qualquer concessão de áreas de estacionamento à EMEL em Benfica".f

opinião

Dê-nos a sua opinião

NOTA: As opiniões sobre as notícias não serão publicadas imediatamente, ficarão pendentes de validação por parte de um administrador.

REGRAS DE USO

1. Deverá manter uma linguagem respeitadora, evitando conteúdo malicioso, abusivo e obsceno.

2. www.fregues.pt reserva-se ao direito de eliminar e editar os comentários.

3. As opiniões publicadas neste espaço correspondem à opinião dos leitores e não ao www.fregues.pt

4. Ao enviar uma mensagem o utilizador aceita as normas de utilização.