Cabecero São Domingos de Benfica

contestação III

Furnas: o espectro de Carnide

A Associação de moradores do bairro das furnas (AMBF) já veio a terreiro a demarcar-se de quaisquer iniciativas que " Não passem pelo diálogo construtivo e pela elevação nas relações , com qualquer entidade coletiva ou com qualquer cidadão."

Redacção

17/04/2018

Os populares do Bairro das Furnas estão muito apreensivos com a introdução do estacionamento pago na zona. Têm decorrido diversas reuniões, algumas mais exaltadas, outras menos, e alguns chegam a manifestar o seu desagrado com a situação através da colocação de tarjas nas ruas. O espectro do que aconteceu em Carnide, onde foram danificados diversos parquímetros, é um dos cenários que tem sido colocado nas discussões populares. 

Na verdade, há escassez de estacionamento para os moradores do Bairro das Furnas, sendo que muitos lugares são ocupados por carros de não moradores, dada a sua proximidade ao interface de transportes de Sete Rios. Aliás, esta situação é gera maior consenso. Por exemplo Mila Fernandes é de opinião que nas Furnas, sendo um bairro sem vias de trânsito de passagem, o estacionamento deve ser gratuito para moradores e pago para os não residentes.

Associação de moradores quer diálogo


A AMBF tem procurado dialogar com diversas entidades no sentido de fazer chegar as preocupações a quem de direito. Neste sentido, solicitou à Junta de Freguesia que se realizasse uma sessão de esclarecimento sobre o assunto com a presença de um representante deste órgão autárquico. Pedido que foi enviado a 28 de Março e que demorou a ter resposta.

Ao que o FREGUÊS sabe realizou-se um plenário de moradores no dia 5 de Abril com a presença do vogal João Dias. Dada a contestação dos fregueses, a própria Junta de Freguesia promoveu uma sessão de esclarecimento na sua sede. Não obstante, a AMBF considera que a actuação das entidades envolvidas na implementação de zonas de estacionamento de duração limitada (parquímetros) não tem assumido uma posição dialogante com os moradores. Os visados são a EMEL, Manuel Salgado, vereador da Câmara Municipal de Lisboa, e a Junta de Freguesia.

Em comunicado, a AMBF afirma que “os representantes dos moradores não foram informados, nem participaram na discussão de tão importante matéria para a população do bairro”. Para os dirigentes associativos, “a implementação de zonas de estacionamento limitado pode ter um carácter benéfico para a população do bairro, evitando, por exemplo, que residentes de fora do bairro possam estacionar no seu interior”. Não obstante, entendem que “estas questões devem previamente ser discutidas com a população”.


Autarcas comprometem-se


No dia 12 de Abril, os membros da Assembleia de Freguesia reuniram-se com os representantes dos moradores. Segundo os dirigentes associativos, “a reunião serviu para sensibilizar os representantes dos moradores na Assembleia de Freguesia, para as suas necessidades e para os seus interesses e para que transmitam as preocupações da população aos orgãos decisores e ao poder político”.

Entretanto, a Associação de Moradores do Bairro das Furnas (AMBF) já veio a terreiro a demarcar-se de quaisquer iniciativas que “não passem pelo diálogo construtivo e pela elevação nas relações, com qualquer entidade colectiva ou com qualquer cidadão”.f

opinião

Dê-nos a sua opinião

NOTA: As opiniões sobre as notícias não serão publicadas imediatamente, ficarão pendentes de validação por parte de um administrador.

REGRAS DE USO

1. Deverá manter uma linguagem respeitadora, evitando conteúdo malicioso, abusivo e obsceno.

2. www.fregues.pt reserva-se ao direito de eliminar e editar os comentários.

3. As opiniões publicadas neste espaço correspondem à opinião dos leitores e não ao www.fregues.pt

4. Ao enviar uma mensagem o utilizador aceita as normas de utilização.